Últimas notícias

Papa Francisco recebe livro de Lula e abençoa o ex-presidente

Segundo o ex-chanceler brasileiro, Celso Amorim, pontífice demonstrou preocupação com caso de Lula durante conversa que durou uma hora.

Por Anderson Augusto Soares – Crítica21 (com informações do Brasil de Fato
02/08/2018

O Papa Francisco recebeu, nesta quinta-feira (2), no Vaticano, o embaixador brasileiro Celso Amorim, que foi ministro das Relações Exteriores durante os dois governos de Lula (2003-2010). Os dois falaram sobre a prisão do ex-presidente em reunião que teve a participação dos ex-ministros Alberto Fernández (Argentina) e Carlos Ominami (Chile).

Papa recebeu de presente a versão em italiano do livro "A verdade vencerá", de Lula.
Foto: reprodução/PT

De acordo com Amorim, o pontífice demonstrou preocupação com o caso de Lula durante a conversa de uma hora. “Ele ouviu com muito interesse, perguntou muito, disse inclusive que continuaria a se interessar pela situação. O tema era a prisão de Lula, a democracia do Brasil, fatores internos e externos que levaram a esta atitude”, disse o ex-chanceler.

Amorim destacou também que o pontífice se referiu de maneira positiva à ex-presidente Dilma Rousseff, utilizando a expressão "mulher honesta" para descrevê-la. Ao final do encontro, o papa recebeu um exemplar em italiano do livro "A verdade vencerá", escrito por Lula. Ele ainda deixou a seguinte mensagem ao ex-presidente: "A Luiz Inácio Lula da Silva, com a minha benção, pedindo-lhe para orar por mim, Francisco".

Mensagem do Papa ao presidente Lula, enviada pelo ex-chanceler Celso Amorim após encontro no Vaticano. Foto: reprodução/Facebook-Lula

Golpe de Estado
O gesto de Francisco em receber o ex-ministro de Lula e os representantes de seu país natal - a Argentina - demonstra que o pontífice está atento ao que ocorre na América do Sul. Em maio, durante missa matinal no Vaticano, ele criticou métodos persecutórios que são usados ainda hoje na vida civil e política "quando se quer fazer um Golpe de Estado".

Disse o Papa: “a mídia começa a falar mal das pessoas, dos dirigentes, e com a calúnia e a difamação essas pessoas ficam manchadas. Depois chega a justiça, as condena e, no final, se faz um golpe de Estado”. Para se chegar a esse ponto, segundo Francisco, cria-se um “ambiente de falsa unidade” e o povo é instrumentalizado por “dirigentes”.

Nenhum comentário