Últimas notícias

DiCaprio rebate fake news de Bolsonaro sobre queimadas na Amazônia

Em comunicado, ator afirmou que o futuro dos ecossistemas está em jogo e que tem "orgulho de estar ao lado dos grupos que os protegem".

Por RBA
30/11/2019

O ator Leonardo DiCaprio rebateu a acusação sem provas feita pelo presidente Jair Bolsonaro de que estaria colaborando com as queimadas na Amazônia. Em comunicado divulgado às agências Associated Press e Reuters, ele disse que “apesar de merecerem apoio, nós não financiamos as organizações”.

DiCaprio no Festival de Cannes, em 2019. Foto: Georges Biard/CC BY-SA 3.0/em Wikipédia 

DiCaprio elogiou “o povo brasileiro que trabalha para salvar sua herança cultural e natural” e afirmou que “o futuro destes ecossistemas insubstituíveis está em jogo”, dizendo ainda ter “orgulho de estar ao lado dos grupos que os protegem”.

Bolsonaro fez a declaração sobre o ator ao sair do Palácio da Alvorada na sexta-feira (29). “Quando eu falei que há suspeitas de ONGs, o que a imprensa fez comigo? Agora, o Leonardo DiCaprio é um cara legal, não é? Dando dinheiro para tacar fogo na Amazônia”, falou à imprensa.

Antes, Bolsonaro havia feito referência a DiCaprio por meio de transmissão via Facebook. “O pessoal da ONG, o que eles fizeram? O que é mais fácil? Botar fogo no mato. Tira foto, filma, a ONG faz campanha contra o Brasil, entra em contato com o Leonardo DiCaprio, e o Leonardo DiCaprio doa 500 mil dólares para essa ONG. Uma parte foi para o pessoal que estava tocando fogo, tá certo? Leonardo DiCaprio tá colaborando aí com a queimada na Amazônia, assim não dá.”

Ao falar do “pessoal da ONG”, o presidente se referia aos quatro brigadistas do projeto Saúde e Alegria, presos de forma arbitrária na região de Alter do Chão, no Pará, e apontados pela Polícia Civil do estado como suspeitos de atear fogo na floresta para obter doações. Contudo, segundo o Ministério Público não há indícios do envolvimento deles e os investigados principais são grileiros da região.

Após a repercussão negativa, o governador Elder Barbalho (MDB) afastou o chefe da investigação, delegado Fabio Amaral, e a Justiça mandou que os brigadistas fossem libertados.

Nenhum comentário